Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Indy’

Acelera, Montoya

A Indy também terá suas atrações em 2014.

Montoya – que coube no carro – já dá suas primeiras aceleradas. Após algumas temporadas na Nascar, o colombiano precisa reencontrar a pegada dos monopostos.

Torceremos! O cara é uma figura.

Anúncios

Read Full Post »

Fear and Loathing Mônaco – Final de semana  frustrante para quem esperava algo diferente da etapa da F1 – ok, temos mais um vencedor na temporada, o sem sal Webber.

Antes, na GP3, preliminar do evento oficial, o piloto russo Dimitry Suranovich assumiu uma postura anti-desportiva de assustar. Gilles Villeneuve às avessas, defendeu sua posição após perder a asa traseira, usando todos os meios possíveis para bloquear a passagem do  norte-americano Conor Daly na estreita pista urbana.

O terrível acidente na saída do túnel poderia ter graves consequências; a perda da licença para disputar provas automobilísticas é o mínimo desejado ao infame russo.

Poucas emoções na F1; apenas Pérez deu algum movimento à prova ao largar em último e quase pontuar.

A batida na partida tirou Koba da disputa e deu grande susto em Schumacher. O veterano, que cumpria punição e por isso não largou na ponta, mais uma vez deixaria de completar uma etapa – Rosberg o domina com facilidade.


A expectativa de chuva, que daria para Vettel um pulo do gato, não se confirmou. Seu companheiro de equipe venceu e empatou a vice-liderança do campeonato.

Campeonato que segue sendo liderado por Alonso. O espanhol faz uma de suas melhores temporadas, tirando mais resultados do que qualquer envolvido na criação do carro deste ano jamais poderia projetar.

E Jenson Button penou diante da Caterham de Kovalainen, para o constrangimento dos olhos atentos de Antonio Banderas.

Where the Buffalo Roam – A Indy 500 é sempre um barato de se acompanhar. Esse ano havia o batizado do chassis novo e a estreia de dois veteranos da F1 como atrações.

Após o hino, o voo dos aviões e o “start your engines”; após trocas seguidas de vácuo com seu companheiro da Ganassi, a atuação monstruosa de Kanaan animando as últimas voltas e a iniciativa transloucada de Sato em busca da vitória na última volta; Após 3 horas de fritura, Dario Franchitti se tornaria tri-campeão das 500 Milhas de Indianápolis.

Will Power e Mike Conway deram a grande pancada da prova:


E por fim: Um dos ex-personagens da F1, o homenageado em Mônaco, receberia bandeira preta por desempenho abaixo do aceitável no oval; o outro realizaria uma prova honesta e competente.

Read Full Post »

Indy na Marginal

O Grande Prêmio Itaipava Armarinhos Fernando Magazine Luiza São Paulo Indy 300 Balas Dadinho Nestlé foi como um belo texto recitado por um grande gago. Bom e irritante ao mesmo tempo.

A corrida foi movimentada, as bandeiras amarelas ajudaram a criar variáveis, o primeiro “s” cumpriu sua função de causar tumulto e a pista estava bonita, bem sinalizada. O grande problema foi mesmo o despreparo da equipe de transmissão de imagens em fazer um trabalho fluido e organizado. Os cortes de imagens aconteciam nas horas erradas, para lugar nenhum, disputas não eram mostradas e as repetições não tinham todo o acontecido – sem contar a chatice do “super-slow” e a troca de nomes durante a narração.

Mas o texto lido pelo gago foi bom. Ah, foi. Os brasileiros remaram muito no chove-não-molha, os da equipe KV um tanto mais com suas táticas incompreensíveis. Aliás, Takuma Sato largou em último e chegou à terceira colocação graças justamente a sua tática, e por – milagrosamente – ter terminado a prova.

Bia Figueiredo foi combativa, merece muito mais, tem muito talento.  Castroneves terminou no quarto posto, e não tem do que reclamar o nosso brasileiro melhor colocado.

Will Power venceu com sobras, lidera a temporada com 180 pontos, seguido de Castroneves com 135. A próxima etapa será a monstruosa Indy 500, todos ao Templo!

Ah. Como cereja do bolo, não havia quem conseguisse abrir as garrafas de champanhe levadas ao pódio. Supimpa.

P.S.: A foto é de Bruno Terena/Agência Warm Up

Read Full Post »

Indy pós Alabama

Aos que acompanham: O que estão achando desta temporada da Fórmula Indy?

A segunda prova, no Alabama, foi muito movimentada e boa de ser conferida. Parece que o novo DW12 é, além de bonito aos olhos, competente naquilo que se propôs a oferecer.

No belo Barber Motorsports Park, estreito e cheio de desníveis, os pilotos conseguiram ganhar posições na base da velha pilotagem. Disputas como a de E.J. Viso e Andretti, lado a lado, foram uma constante. O carro parece ser tão forte quanto o chassi antigo, que aguentava muita porrada – o tal pára-choques traseiro foi bastante exigido hoje.

Will Power remou bastante e conseguiu uma boa vitória, creditada à tática da equipe Penske. Castroneves perdeu rendimento e finalizou em terceiro. Boa pontuação somada no seu grande começo de temporada. Barrichello fez um grande final de prova, ganhando boas colocações na última relargada e terminando com uma postura competitiva e agressiva no oitavo posto.

Respondendo, digo que estou gostando bastante desse início competitivo e bonito da Indy. Que venham as demais etapas.

Abaixo, um print do http://www.indycar.com com parte da atual classificação:

Read Full Post »

O carro lindo acima será o novo brinquedo de Rubens. Finalmente veio o anúncio.

O Rodrigo Mattar tuitou ontem que tem se falado mais em Indy do que na Fórmula 1 após o início dos treinos da categoria americana – os brasileiros com toda certeza.

A Indy tem, digamos, a carta do Super Trunfo nesse momento de grandes mudanças. Pós baque pela morte do Wheldon, com a chegada do (lindo) carro novo e com a diminuição dos ovais no calendário, ter um veterano ex-Fórmula 1 em forma e motivado nas atrações é uma boa maneira de mostrar que a categoria segue forte e é atraente.

Quanto ao Rubens, só depende dele e de sua postura frente as cameras e ao dircurso verde-e-amarelo da BAND. Talento tem, de sobra, para se destacar.

E a BAND vai mostrar classificação e corridas na íntegra? A temporada toda? Sei não, sei não…

Read Full Post »

Povos de outros tempos deixaram marcas ainda presentes nos dias atuais, mas infelizmente grande parte de suas crenças e costumes seja hoje desconhecida, principalmente por nós ocidentais.

Há 5.000 anos o mundo era diferente, menor. A percepção do cotidiano por parte dos indivíduos, e a sua religiosidade, também. A história era vista de forma cíclica e não linear, como num círculo, num traçado oval, as coisas retornariam na manhã seguinte para o ponto de partida.

Aquelas sociedades, lideradas por reis-sacerdotes, temiam a perda da manutenção da ordem dos acontecimentos e utilizavam-se das relações com um panteão de deuses para explicar o inexplicável – catástrofes, pragas, doenças, desastres. Sumérios, acádios e babilônicos tinham os seus, cada um representando um evento da natureza, das relações humanas e das suas atividades:

Enlil, senhor dos ventos, próximo a Abad, deus das tempestades; Samash, deus solar; Zabada, deus guerreiro, submisso a  Ishtar – deusa da fertilidade e da guerra; alguns nomes dentro de toda uma mitologia criada para explicar os mistérios que cercam tudo o que acontece no mundo.

Talvez JR Hildebrand, pobre JR Hildebrand, tenha sido neste último final de semana mais do que um infeliz acidentado. Talvez ele seja um escolhido. Instrumento de uma manifestação cruel de um esquecido Enlil, que escolheu um evento cíclico para demonstrar seu descontentamento. As coisas estão muito diferentes de 5.000 anos atrás, Enlil deve estar inconformado com o ostracismo.

Ou talvez JR Hildebrand, pobre JR Hildebrand, que tinha nas mãos a vitória da centésima edição de uma das provas automobilísticas mais importantes no panteão das provas automobilísticas do mundo conhecido. Que bateu na última curva, cruzando depois os ladrilhos da vitória aos trancos e barrancos, sendo ultrapassado nos últimos metros por um afortunado Wheldon… Talvez, sei lá, ele tenha profanado um zigurate, tirado uma lasca do Código de Hamurábi, esquecido a Porta de Ishtar aberta num dia frio e irritado a deusa do amor. Quem sabe ele não tirou uma onda da tiara de chifres que Naram-sin usa nas suas representações?

Algo inexplicável aconteceu e nem a mitologia dá conta. O automobilismo é fascinante.

Read Full Post »

Hoje a notícia de que Porto Alegre busca sediar uma etapa da Fórmula Indy correu as redes sociais e os veículos que cobrem automobilismo. Entre os trajetos propostos num primeiro momento, o que parece mais prático é o que passaria pela Usina do Gasômetro e pelo Anfiteatro Pôr-do-Sol, costeando o Guaíba num ambiente plano e de bela natureza.

A Av. Edvaldo Pereira Paiva, que durante os finais de semana vira passeio para pedestres e ciclistas tendo, inclusive, o tráfego de veículos restringido, deve ser a melhor região de Porto Alegre para uma corrida de monopostos, uma vez que Tarumã sequer foi cogitada.

A maioria da população da capital recebe de forma incrédula a notícia, o que poucos sabem é que até o final da década de 60 a cidade, muito menos habitada e urbanizada do que hoje, promovia eventos automobilísticos em suas ruas regularmente. Circuitos por onde Takuma Sato e sua trupe jamais ousariam passar.

Dos trajetos utilizados como pistas de rua, o mais desafiador foi o do Circuito da Pedra Redonda, ainda cultuado e reverenciado nos dias de hoje. Suas curvas e desníveis lançados ao longo de 15 quilômetros, localizados na região sul de Porto Alegre, tiveram durante o seu auge nos anos 50 e 60 uma espécie de tira-teima entre os ases gaúchos, que aprontavam nas Mil Milhas de Interlagos, e os paulistas sedentos por vingança nas terras do sul.

Pilotos como Camillo Christófaro, Chico Landi, Catharino Andreatta e José Asmuz levavam em suas carreteras o orgulho regional e, de quebra, ainda enfrentavam oponentes dos países vizinhos.

O hoje impensável circuito tinha a sua largada e chegada no bairro Tristeza, entre a Av. Otto e a Delegacia da Brigada Militar. Os carros subiam pela atual Wenceslau Escobar na direção da muito perigosa descida da Pedra Redonda, a entrada do bairro Ipanema pela Av. Cel. Marcos.

Difícil imaginar o trabalho para controlar as pesadas e potentes carreteras, com freios a tambor nas quatro rodas, na íngreme descida que culmina em uma curva, até hoje problema para os motoristas do trânsito cotidiano.

Já em Ipanema seguiam em alta velocidade até a curva da caixa d’água, onde viravam para o início da subida da Av. Cavalhada, acabando em uma veloz e perigosa descida após o encontro com a Av. Eduardo Prado.

As carreteiras seguiam em descida através da Av. Cavalhada até entrar, contornando uma curva de 90 graus, na Rua Dr. Otto Niemeyer.

A parte final do circuito ocorria no perigoso encontro, também em descida, da Rua Otto com a Praça da Tristeza e a sua igreja, ali estavam novamente no ponto de largada.

Durante bons anos famílias porto-alegrenses aglomeravam-se nas calçadas do seu bairro para ver as carreteiras passarem, trazendo consigo um número grande de incidentes terríveis. Com o crescimento da velocidade dos carros e da população na zona urbana, o perigo dos chocantes acidentes em vias públicas foi contornado com a inauguração de Tarumã.

As corridas pelas ruas da cidade, seja pelo Circuito da Pedra Redonda, seja pelo também desafiador Circuito da Cavalhada, ficaram na memória e em registros fotográficos, virando contos de avô para neto. A possibilidade do retorno das disputas nas vias da capital gaúcha, agora num evento internacional, promoveria também um reencontro do povo gaúcho – apaixonado por corridas – com a velocidade em trajetos normais do seu deslocamento cotidiano.

Seria uma grande homenagem aos antigos heróis que, com suas máquinas, fortaleceram o automobilismo muito além do nível regional.

Abaixo, um comparativo: O ontem e o hoje nas ruas do Circuito da Pedra Redonda.

*********************

Bibliografia para este post:

http://ruiamaraljr.blogspot.com/ e o seu “Histórias que vivemos”

Agradecimentos a Graziela Rocha pelo atencioso envio de informações

http://blogdoquadriculada.blogspot.com/

http://www.nobresdogrid.com.br/

http://blogdosanco.blogspot.com/

Read Full Post »

Older Posts »