Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Kovalainen’

Neste domingo, em um momento da corrida de Valência, tive um daqueles momentos em que temos a sensação de reviver algo. Um Déjà vu me levou, em tempo recorde, para 1993.

Quando Webber decolou, arregalei os olhos, como fiz 17 anos atrás. Olhava então o Grande Prêmio de Monza, como via todas as corridas daquela época feliz, na cama dos meus pais. Senna brigava contra as Williams, um alemão começava a despontar na Benneton, a Ferrari de Alesi e Berger não era nem sombra do que viria a se tornar, anos depois, nas mãos do já maturado alemão.

Pois, na última volta daquela corrida, Christian Fittipaldi, que tinha feito uma grande prova de recuperação, atacava seu companheiro de equipe Pierluigi Martini. As lindas Minardi disputavam a sétima colocação, e, na saída da Parabólica, Christian embutiu na traseira do companheiro e tocou a sua roda traseira, decolando, completando um looping e, ainda assim, completando a corrida, com o bico apontando para o sentido correto da prova.

Nas palavras dele: “Tudo aconteceu em segundos, mas para mim durou uma eternidade. Fiquei rezando para que as rodas tocassem no solo antes de qualquer outra parte do carro. Estava de olhos bem arregalados e esperando o impacto. Foi um alívio quando meu monoposto aterrisou. Mesmo sem freios, sem direção, sem uma roda traseira, consegui cruzar a bandeirada final. Senti apenas uma dorzinha nos cotovelos, em vista do barulho da batida, até que a aterrissagem foi suave.” Eu nunca mais esqueci.

Pois hoje repeti o “puta merda” que foi dito 17 anos atrás. Desta vez,  Mark Webber que foi catapultado. Da mesma maneira, ao forçar a barra com Kovalainen. Por sorte novamente ninguém se machucou. Nas palavras de Webber: “Foi um incidente desagradável. É evidente que eu fiquei surpreendido com o que estava acontecendo naquela curva. Para começar eu pensei que ele fosse me deixar passar porque obviamente a diferença de ritmo entre os dois carros é enorme. Mas então ele começou a fechar a porta e fazer pequenos movimentos. Pensei: “Onde ele está indo?””

O que me impressiona, mais do que o fato de Webber pensar que Kovalainen não devesse brigar pela posição, é que, a minha memória visual, a forma como reagi, todas essas coisas juntas me colocaram novamente em uma época que há muito não vivo.

O esporte é mesmo algo incrível.

Read Full Post »