Feeds:
Posts
Comentários

Posts Tagged ‘Mônaco’

nico_monacoGostaram da corrida? Eu gostei.

30 anos depois de seu pai Keke, Nico Rosberg também vence o Grande Prêmio de Mônaco.

Nico vem conseguindo largar na pole em 2013, mas o fraco desempenho em corrida da Mercedes não revertia seus feitos em vitória.

O que houve? Vejamos: Mônaco é uma pista difícil para ultrapassagens, e alguns afoitos causaram acidentes que resultaram em demorados momentos de safety-car. Tendo pista livre e ninguém ameaçando, podendo ditar o ritmo e também salvar os pneus nos períodos de bandeira-amarela, Nico venceu.

E um momento foi decisivo. Lembram no começo da temporada quando Lewis tinha o carro mais lento e a equipe prateada pediu para Nico respeitar o companheiro? Nico o fez, mas contrariado disse que o time devia aquela para ele. Hoje, na primeira janela de paradas, o alemão foi chamado para os boxes antes de Lewis, essa decisão retirou o piloto inglês inclusive do pódio.

Adrian Sutil fez grande prova!

Quanto aos incidentes. Muito estranho o que acontece com Felipe Massa, duas batidas idênticas… E Pastor Maldonado mais uma vez foi afoito, detonando a equipe dentro e fora das pistas. E Perez teve bons momentos, mas jogou tudo fora ao forçar a barra – duas vezes – para cima de Kimi – o mexicano é a grande decepção da temporada.

E Kimi, heim? Depois da besteira de Perez ter comprometido sua prova, retornou e ainda foi buscar os pontos. Incrível e limpo, conforme as imagens abaixo:

Por fim, a Cerimônia de Premiação. Ah, Mônaco às antigas! O vencedor estaciona na pista, atravessa a rua, é recebido pela família real e volta para fazer a festa junto aos companheiros… Muito mais humano do que nas outras premiações da temporada.

Logo menos falamos de Tony Kanaan, vencedor das 500 Milhas de Indianápolis

Read Full Post »

Imprevisível

Este monumento instalado em Mônaco lembra o feito de William Charles Frederick Grover-Williams, vencedor do primeiro GP disputado nas ruas do principado. Com uma Bugatti que ele venceria, no distante 1929.

Na atual temporada é impossível qualquer tipo de convicção em relação ao vencedor da prova. 2012 está imprevisível.

…ok, ok, nenhum piloto da Hispania, Caterham ou Marussia vencerá – eu acho.

Read Full Post »

Em Mônaco, 1933

Tazio Nuvolari liderava, mas a pressão do Bugatti 51 pilotado por Achile Varzi era grande.

O Alfa Romeo 8C 2.3L de Tazio Nuvolari apresenta problemas e apaga na entrada nos boxes. Com ajuda de mecânicos ele chega no seu espaço.

Enquanto os mecânicos trabalhavam na Alfa, as coisas ferviam nos bastidores de Mônaco

Um fiscal comunica Nuvolari de sua desclassificação. Era vedada a ajuda externa para levar carros com problemas aos boxes.

Nuvolari, inconformado, devia pensar que na pista não cederia a vitória.

Achile Varzi, que não tem por que reclamar da má sorte de seu adversário, recebe a bandeirada como vencedor do V Grande Prêmio de Mônaco.

Ao vencedor os louros, e um cigarro.

Read Full Post »

  • Patrick Depailler, no ano de 1976, nos leva para uma volta em Mônaco, a bordo da única Tyrrel P34.

Frente grudada no chão, traseira chicoteando aos impulsos do Cosworth DFV V-8. O trabalho de Patrick, livrando o carro das lâminas metálicas do principado.

Um belo passeio

  • David Gilmou levou para a festa dos 50 anos da Fender Stratocaster o ítem mais valioso de sua coleção. Trata-se da Stratocaster #0001, a mais antiga das Strato conhecidas, guardada no seu barco-estúdio junto com outros instrumentos de seu acervo.

No concerto realizado em 2005, Gilmour se juntou a outros guitarristas para homenagear o modelo. Lá, tocou essa canção instrumental chamada “Marooned”, presente do disco pós Roger Waters  “The Division Bell”, de 1994.

Gilmour tem um estilo próprio. Sem grandes firulas, ele despeja linhas harmoniosas e agudos precisos, sempre usando de efeitos para dar novas cores para seus os solos.

Outro belo passeio

Read Full Post »

Nos dias chuvosos daqueles anos, a sala da minha casa virava o palco de corridas virtuais, corridas um pouco mais sérias que as dos dias chuvosos dos anos que vieram antes. Embora a logística ainda permanecesse igual, o brinquedo havia mudado. Brincar de Enduro com o escanteado Atari já não fazia mais sentido, aliás, eu não era uma criança tola. Sabia que tinha algo de errado na interminável estrada do Enduro.  Nunca tinha visto da janela do Chevette Hatch do meu pai mudanças tão bruscas de asfalto para a neve, da neve para a grama, da grama para a lama, da lama para a noite…

Mas agora, nós tínhamos a disposição o novíssimo Super Mônaco GP do Mega Drive. Trazíamos a maior televisão disponível, por vezes de algum vizinho convidado, para a sala de casa. Abastecíamos os potes com pipocas e os copos com refrigerante, e assim as horas da tarde chuvosa passavam ligeiras e bem alimentadas.

O jogo do Mega Drive me apresentou ao mundo dos simuladores. Agora eu poderia correr em pistas reais com equipes inspiradas nas reais. Começava a minha carreira com a fraquíssima Minarae, a Minardi, e através do meu desempenho no campeonato, ia evoluindo de equipe em equipe até chegar na fortíssima Madonna-Mclaren. Esse joguinho, hoje bobo, me fez gostar de assistir corridas. Além do símbolo da marca de cigarros que ele mostrava, eu sabia agora também o contorno das pistas de cabeça e a ordem delas no campeonato.


E dele veio também a minha adoração por Mônaco, além de um problema no dedo polegar da mão direita. O lugar que dava título ao meu jogo, que estava nos filmes do Herbie e do 007 que eu via, deveria ter algo de especial.

Mônaco é um principado de apenas dez bairros, distribuídos em dois quilômetros quadrados, situado no sul da França. Entre um rochedo e o Mar Mediterrâneo esta localizado um dos maiores paraísos fiscais do mundo, com seus cassinos e sua grande atividade imobiliária.

As corridas por lá já aconteciam bem antes da criação da Fórmula 1. O clube do automóvel de Mônaco queria independência do clube Francês, e para tal, passou a organizar os seus eventos em 1929, data da primeira corrida pelas ruas do principado. Partindo de um evento para convidados, Mônaco cresceu em importância, figurando como evento fixo do circuito europeu de corridas.

Desde que um Bugatti ganhou em 1929 a primeira corrida por lá disputada, ela continua fiel às suas origens. Parando durante os períodos de guerra e vez por outra em alguma briga política, as suas curvas guardam a história do automobilismo mundial e também dos seus principais personagens. A arquitetura antiga e elegante, hoje abafada pelos arranha-céus, ainda observa os bravos pilotos de hoje enfrentarem os mesmos desafios que os de outrora.

E é quando as suas estreitas ruas são fechadas para o tráfego normal e ganham novamente status de pista de corrida, que fica claro o quanto as coisas pouco mudaram ao longo dos anos na estrutura da sua pista. Na Sainte Devote e sua pequena área de escape, no desnível antes da Mirabeau ou no cotovelo do Grande Hotel, em que a tomada da televisão mostra um belo conjunto de três curvas.

O túnel, esse sim mudou, ganhou iluminação e muradas, a estrada que costeia o mar também ganhou as suas, e iates, muitos iates. No final do túnel, um dos poucos pontos de ultrapassagem antes do ˝S do Wendlinger˝, depois as piscinas em que Senna segurou um puto Mansell, e a Rascasse, o parking-free de Schumacher.

Estava quase tudo lá para  Nuvolari, Fangio, Moss, Hill, Stewart e Senna, e sempre estará para os pilotos contemporâneos.

Por mais que a Fórmula 1 evolua, ao sabor dos ventos tecnológicos e das vontades de Bernie Ecclestone, a força de sua tradição manterá alguns de seus elos vitais sempre unidos. As pistas do velho mundo têm uma carga de importância e identidade que nunca os novos traçados feitos pelo Hermann Tilke, nos tigres asiáticos ou emergentes afins, atingirão.

Naqueles tempos, enquanto eu juntava meus amigos para jogar Mônaco GP, tentando vencer o G. Ceara na sala da minha casa, Nelson Piquet resmungava que correr por lá na vida real era como andar de bicicletas pela sala da casa dele.  E Ayrton Senna deve ter chegado rápido na de seu apartamento, após jogar uma vitória fácil nas mãos de Prost, batendo a apenas 800 metros de sua morada em 1988. Isso, se ele realmente tiver tomado o rumo dela.

Bibliografia para a confecção deste post:

http://blog-do-ico.blogspot.com/ , a grande maioria das fotos.

http://pt.wikipedia.org/

Read Full Post »